A-ALEGRIA-DO-AMOR-2

A DECISÃO DE CASAR-SE

No documento Amoris Laetitia não poderiam faltar algumas palavras sobre o matrimônio, que entre batizados, homem e mulher, é elevado à categoria de sacramento. Quando um homem e uma mulher cristãos, na maioria das vezes jovens, decidem se casar, devem levar em conta que essa decisão é uma resposta positiva ao chamado de Deus. Quando falamos de vocação - chamado - também falamos de casamento, pois «o matrimônio é uma vocação» (n.72).

A fidelidade que deve ser buscada por aqueles que se decidem casar, além da geração e educação dos filhos, é a de santidade, pois o matrimônio é "um sacramento como dom para a santificação e a salvação dos esposos" (n.72).

Dentre os princı́pios norteadores da vida matrimonial está aquele que a Igreja católica denomina de bonum coniugum, bem dos cônjuges. O matrimônio visa o bem daqueles que se casam. Esse bem não deve ser compreendido de qualquer maneira , sobretudodamaneira que não corresponde à vida cristã. O bem dos cônjuges inclui «unidade, abertura à vida, fidelidade, indissolubilidade e amizade com Deus» (n.77).

Paremos por aqui e lancemos alguns pontos para a reflexão dos casais:

  1. O nosso matrimônio é vivido como uma resposta ao chamado de Deus? Rezamos juntos como casal? Comemoramos o nosso aniversário de casamento numa missa?
  2. Marido e mulher, somos um para o outro caminho de santidade? Procuramos juntos nos acolher e também superar as dificuldades próprias da vida a dois?
  3.  Somos fiéis um ao outro?

Padre Ricardo de Barros Marques - vigário paroquial