pe-ricardo1Nesse mês de julho celebramos pelo calendário litúrgico, no dia 26, a festa de Sant'Ana e São Joaquim, avós de Nosso Senhor Jesus Cristo, e pelo calendário civil o dia dos avós, essa segunda comemoração é motivada pela primeira.
O Santo Padre, o Papa Francisco, desde que assumiu a cátedra de Pedro tem falado sobre a importância da acolhida aos idosos que, infelizmente, sofrem, algumas vezes, o esquecimento da família, o descarte social. 
No documento Amoris Laetitia, sobre o Matrimônio e a Família, o Papa diz que na maior parte das famílias os idosos têm sido respeitados e cercados de carinho e de afeto. Recorda que os idosos nunca podem ser considerados como um «peso» para a família e nem para a sociedade, mas reconhece que em alguns casos os cuidados com os idosos são tantos que colocam à dura prova os seus entes queridos. O Papa pede que as famílias não abandonem os seus idosos e que devem acompanha-los até aos últimos momentos da vida (n.48).
Ressalta o Papa Francisco que cada familiar deve ser contemplado com os olhos de Deus e deve ser reconhecido nele o rosto de Cristo. A pessoa amada merece toda a atenção em sua dignidade (n. 323).

Poderíamos, finalmente, deixar algumas perguntas:
1-Como tratamos nossos pais e avós? Eles participam, a medida do possível, dos momentos familiares mais importantes? Temos tempo para ouvi-los?
2-Que importância damos ao papel dos pais idosos e dos avós na preservação da história de nossa família? Comemoramos as datas importantes de suas vidas, como o aniversário natalício e o de casamento?
3-Como ajudamos na defesa dos idosos na sociedade? Exigimos que sejam bem tratados pelos governos e pelas instituições de saúde?

Padre Ricardo de Barros Marques - vigário paroquial